Desde 2010 |Referência em Pole, Aéreos, Dance e Acrobacias

(11) 3032.0000 - Av. Jabaquara, 245, Mirandópolis,

Metrô Praça da Árvore / Metrô Santa Cruz (Saúde / Vila Mariana) 

PARA ESTACIONAR (CONVÊNIO):

-R&R Estacionamento - Av. Jabaquara, 476

September 7, 2016

Please reload

Posts Recentes

Não se esqueça da ponta de pé!

October 6, 2016

1/2
Please reload

Posts Em Destaque

Não se esqueça da ponta de pé!

October 6, 2016

Com o dia a dia corrido, pole dance se torna praticamente um alívio, uma válvula de escape necessária para os praticantes do esporte. Mas se tem uma parte difícil da aula - às vezes até mais desafiadora que as inversões mirabolantes e figuras áreas – é a famosa, a querida, a amada e menosprezada ponta de pé. E bota menosprezada nisso!

 

“FAZ PONTA DE PÉ! ”, “OLHA O PÉ DE PATO! ” ou “OLHA ESSE PÉ FEIO! “- estou para conhecer uma pessoa que nunca ouviu algo parecido em aulas de pole dance, porque até bailarinas e bailarinos que fazem pole cometem esses deslizes com os pés durante as aulas.

 

Como a maioria dos aprendizes do pole dance, sempre invento de gravar uma sequência treinada em aula ou tirar fotos de algum movimento para poder me lembrar e praticar depois. Não foram poucas as vezes que começava a gravar e: opção A – a amiga com a câmera na mão berrava um FAZ-PONTA-DE-PÉ e eu, quase caindo da barra, tentava acordar meu pé flex de um sono profundo; ou opção B – executava os movimentos e saia da barra confiante até ver o vídeo/foto e TCHAN! Via minha ponta de pé sofrida e feiosa. Tentava então repetir e repetir o movimento, mas a bendita pontinha não ficava como eu queria.

 

Se esse meu minidrama também for o seu minidrama, não é motivo para desespero! Afinal, ficamos tão concentrados em executar um movimento (geralmente de ponta cabeça) com travas específicas, de muita força ou flexibilidade – que a ponta de pé é a última coisa da qual vamos nos lembrar. Sad but true.

 

Na verdade, como muitos instrutores de pole dance reforçam, ponta de pé também é treino, e deve ser um treino constante. Ênfase no constante aqui: pense nas bailarinas e ginastas olímpicas, elas treinam por anos e praticamente todo dia, toda essa dedicação não só para melhorar a performance como um todo, mas também para fortalecer e estimular a flexibilidade nos músculos do pé. Vale lembrar que elas ainda correm o risco de instrutores criticarem suas pontinhas perfeitas e pedirem para que se esforcem mais.