Desde 2010 |Referência em Pole, Aéreos, Dance e Acrobacias

(11) 3032.0000 - Av. Jabaquara, 245, Mirandópolis,

Metrô Praça da Árvore / Metrô Santa Cruz (Saúde / Vila Mariana) 

PARA ESTACIONAR (CONVÊNIO):

-R&R Estacionamento - Av. Jabaquara, 476

September 7, 2016

Please reload

Posts Recentes

Não se esqueça da ponta de pé!

October 6, 2016

1/2
Please reload

Posts Em Destaque

Entre deslizes e escorregadas, apresento-lhes o Pole Dance no calor!

September 20, 2016

Chega setembro, e só consigo me lembrar de um camarada que está saindo pelas portas dos fundos, se despedindo aos poucos: o inverno. É hora de dar adeus às meias quentinhas, aos cobertores gigantes e ao chocolate quente. Afinal, a queridíssima primavera já toca a campainha, o solão aparece na janela e pede para que o dia comece mais iluminado e colorido (apesar de às vezes vir acompanhado de chuvinhas). Mas para os pole dancers, um novo clima traz um novo detalhe, a mudança climática pode influenciar no desempenho nos treinos.

 

Quem vive em estados mais quentes e com menor variação de temperatura ao longo do dia talvez não sinta tanto, mas olha, digo que nós pole dancers do sudeste e provavelmente do sul brasileiro sentimos uma (BAITA) diferença na hora de treinar dependendo do clima! Isso sem levar em consideração a disposição corporal, claro, porque tem dias que o rendimento pode ser exorbitante ou nulo durante a aula, depende do quão dispostos estamos. Acredito que a adaptação a climas diferentes seja uma questão de timing, porque quando pegamos tempo e experiência na barra começamos a notar se há alterações no treino dependendo da época do ano, além de conseguirmos nos adaptar ao clima e não acabar “prejudicando” o próprio desempenho.

 

Durante o inverno e possivelmente outono em São Paulo, por exemplo, é comum sentir ou ouvir polers comentarem que a barra está mais fria e escorregadia, que é preciso limpá-la praticamente a aula inteira, ou usar colas mais “grudentas” para se segurar no pole. Além disso, a pele resseca muito fácil com frio, mas não quer dizer que o corpo não se transforme em uma cera humana quando vamos para o pole. O atrito da pele seca com a barra não só deixa o contato escorregadio no primeiro momento, como pode facilitar ralados e até bolhas conforme o corpo aquece. Pele seca, corpo aquecendo e você aumentando a pressão para se manter na barra – pelo menos um roxinho você pode ganhar “de presente” caso não tome cuidado.

 

Acabei descobrindo, depois de muitas bolhas e peles dolorosamente descascadas, que a melhor maneira de evitar essas chatices é hidratar a cada dois dias (MAS BEM DE LEVE) o corpo, e pensar em uma hidratação no período de pelo menos 12 horas antes de treinar, para justamente não ficar melecada demais e prejudicar o desempenho. Ah! E como não deixo de lado o discurso da tia preocupada, no frio também é imprescindível aumentar o tempo de alongamento e aquecimento - evitemos lesões, por favor!

Agora com o calor chegando, já adianto uma verdade, você deve suar durante a aula. Quem sua bastante – não importando o clima – pode ser que saia encharcada (o) do treino. Para quem não tem muita propensão, pelo menos uma gotinha de suor vai sentir escorrendo. O problema do calor excessivo no pole é que a barra vira um escorregador vertical e é praticamente inevitável sair deslizando – (mas pelo menos nesses casos nossa aterrissagem é mais estilosa do que a dos bombeiros!) 

 

Faz parte do treino durante o calor não se sentir tão segura à barra. Mas ventilador e ar condicionado podem estar a seu favor! Apesar de que há quem não concorde com o uso de ar condicionado na hora de treinar. Enfim, isso já é outra história, para um outro dia.

 

Antes de você desistir, querer jogar a toalha para o alto e pensar que nunca terá um treino 100% bom em condições climáticas, eu solto um clássico C A L M A! Faça justamente o contrário, INSISTA! 

 

Só porque o clima pode desfavorecer o treino não quer dizer que isso VÁ DE FATO acontecer. Ou que você não possa evitar. Lembre-se de que só passando pela dificuldade você se torna mais forte. No caso do pole, mais resistente à barra, aos escorregões e às raladas.

 

 

Então, algumas dicas para lidar com o calor no pole:

- Ventilador pode ajudar bastante a dar aquela secada.

 

- Toalhinhas para o corpo e para a barra são suas aliadas! Inclusive, é interessante levar as duas, uma para cada função, por questão de praticidade e higiene.

 

- Se o negócio está feio e você não para de escorregar da barra, não se esqueça que existem as famosas colas, desde pós ou mais sólidas, às líquidas e muito grudentas, escolha a de sua preferência e se joga na barra! Mas atenção, não pegue muito pesado na cola para não sair grudando pelas paredes depois.

 

Espero que esse humilde textinho tenha ajudado os apaixonados por pole. Aliás, comentem aqui, sintam-se à vontade para compartilhar dicas que vocês tem para enfrentar o verãozão no nosso amado esporte <3

 

PS: TIRE AS ROUPAS DE POLE MAIS COLORIDAS DO ARMÁRIO E ABRE A JANELA, PORQUE JÁ É PRIMAVERA!